Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Malária

Malária

Vigilância Ambiental > Malária

A malária humana é uma doença parasitária causada pelos protozoários Plasmodium vivax, P. falciparum e P. malariae e transmitida ao homem pela picada de mosquitos do gênero Anopheles. O agravo atinge em vários graus, 40% da população mundial, ou seja, mais de dois bilhões de pessoas em cerca de 100 países, caracterizando-se como uma das mais importantes endemias mundiais. Somente nas Américas 203 milhões de pessoas vivem em áreas de risco em 21 países.


No Brasil, a malária é um grave problema de saúde pública na região da Amazônia Legal, composta pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Mato Grosso e Maranhão, onde ocorrem aproximadamente 99,5% dos casos registrados no País. Ultimamente, o Programa Nacional de Prevenção e Controle da Malária (PNCM) têm ampliado o sistema de vigilância sobre a área extra-amazônica, devido a registros de surtos controlados em estados como Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Ceará, Piauí e Espírito Santo, Pernambuco, entre outros.


No Rio Grande do Sul os primeiros casos de malária autóctone foram registrados entre os anos de 1928 e 1929, nos municípios de Torres e Osório, permanecendo no Estado, de forma endêmica, até o ano de 1968, quando foi declarada como área não malárica por uma comissão de avaliação composta por membros da Organização Mundial de Saúde (OMS), da Campanha de Erradicação da Malária (CEM) e da Superintendência de Campanhas de Saúde Pública (SUCAM), setor Santa Catarina, responsável pelas ações de controle da doença no Rio Grande do Sul.


A presença de Plasmodium vivax e P. falciparum, verificada anualmente em pacientes suspeitos que chegam ao Estado, aliada às 14 espécies de Anophelinae ocorrentes no Rio Grande do Sul, sendo duas consideradas vetoras primárias de malária e cinco secundárias, salientam a importância do projeto de Vigilância Ambiental de Vetores da Malária que vem sendo executado pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde no litoral norte do Estado.

 

 

Centro Estadual de Vigilância em Saúde