Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico é realizado pelo isolamento e identificação do C. diphtheriae por meio de cultura de amostras biológicas, coletadas adequadamente, das lesões existentes (ulcerações, criptas das amígdalas), exsudatos de orofaringe e de nasofaringe, que são as localizações mais comuns, ou de outras lesões cutâneas, conjuntivas, genitália externa, entre outras, mesmo sem as provas de toxigenicidade. Essa técnica é considerada o padrão ouro para o diagnóstico da difteria.

A medida terapêutica eficaz na difteria é a administração do soro antidiftérico (SAD), que deve ser feita em unidade hospitalar, e cuja finalidade é inativar a toxina circulante o mais rápido possível, possibilitando a circulação de excesso de anticorpos em quantidade suficiente para neutralizar a toxina produzida pelos bacilos. As doses do SAD não dependem do peso e da idade do paciente, e sim da gravidade e do tempo da doença (Guia de Vigilância em Saúde, 2016, pag. 105). O uso de antibiótico deve ser considerado como medida auxiliar da terapia específica, objetivando interromper a produção de exotoxina, pela destruição dos bacilos diftéricos e sua disseminação.

Centro Estadual de Vigilância em Saúde