Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Secretaria da Saúde
Início do conteúdo

Medidas de Prevenção e Controle

Abaixo, as medidas básicas de prevenção e de controle da tuberculose. Para maior aprofundamento, sugerimos o Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, pag. 112.

Medidas gerais:

Medidas simples de controle da transmissão podem ser tomadas baseadas no seguinte princípio: quanto maior a remoção das partículas do meio ambiente, menor o risco de infecção por tuberculose. A mais simples medida de controle ambiental é o uso da ventilação natural para aumentar o fluxo de ar no recinto, direcionando este fluxo com partículas infectantes para fora, por meio de janelas abertas em extremidades opostas no local. A bactéria é, de modo geral, sensível à radiação ultravioleta.

Medidas em serviços de saúde:

Não há necessidade de ambientes especiais para o atendimento de pacientes com tuberculose nas unidades de atenção primária. A medida mais importante é identificar o paciente com tosse há cerca de três semanas (o sintomático respiratório), com o oferecimento de máscara cirúrgica a este paciente ou ao paciente com tuberculose pulmonar.

As medidas para serviços ambulatoriais, podem incluir:

  • Exaustores ou ventiladores, de forma que o ar dos ambientes potencialmente contaminados se dirija ao exterior e não aos demais cômodos da instituição, direcionando o fluxo de ar favoravelmente à diminuição da concentração de bacilos;
  • Instalação de locais de isolamento respiratório nas unidades;
  • Filtros de alta eficiência para ar particulado (filtros HEPA), quando possível/viável.

Medidas individuais:

É altamente recomendado o uso de máscara tipo PFF2/ N95 para profissionais de saúde ou visitantes (acompanhantes) ao entrarem em áreas de alto risco de transmissão:

  • Quartos de isolamento respiratório;
  • Ambulatórios para atendimento referenciado de sintomático respiratório, de pacientes bacilíferos e de portadores de tuberculose com suspeita de resistência ou com resistência comprovada a fármacos tuberculostáticos;
  • Ambulatórios com pouca renovação de ar, para profissionais que estejam atendam pacientes referenciados como bacilíferos ou como potencialmente bacilíferos;
  • Profissionais de laboratório ou profissionais que realizem procedimentos, ou que manipulem materiais que promovam formação de partículas infectantes (por exemplo, escarro induzido, broncoscopias, nebulizações);
  • Profissionais que realizem transporte de pacientes bacilíferos ou de pacientes suspeitos de tuberculose pulmonar em ambulâncias ou em veículos de escolta. Os pacientes devem utilizar máscaras cirúrgicas comuns.

Observação: o uso de máscaras pelos profissionais de saúde somente durante o atendimento destes pacientes seria de pouca utilidade, pois quando o paciente deixa o local de atendimento, os bacilos podem permanecer no ambiente por até nove horas, dependendo da ventilação ambiente e da iluminação.

É recomendado o uso de máscara cirúrgica para pacientes com tuberculose pulmonar ou sintomáticos respiratórios em situações de potencial risco de transmissão:

  • Salas de espera sem ventilação adequada;
  • Emergências, ao aguardar diagnóstico;
  • Deslocamento de pacientes do isolamento para exames ou procedimentos.
Centro Estadual de Vigilância em Saúde