Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Contaminantes Urbanos e Industriais

Vigilância da Saúde de População Exposta a Contaminantes Químicos

VIGISOLO

Contaminantes Urbanos e Industriais

Este serviço foi implantado com a missão de prevenir, minimizar ou eliminar riscos à saúde das populações expostas a contaminantes químicos em áreas contaminadas, visando a atenção integral à saúde dos expostos.

A determinação dos impactos à saúde se baseia na exposição aos contaminantes químicos de interesse identificados. As informações para determinação de exposição provêm de três fontes principais: dados ambientais; relatos das populações expostas e dados de saúde. Não se pode estabelecer a existência de exposição apenas a partir da identificação dos contaminantes ou seus metabólitos no organismo. Nem todos são dosáveis, e é comum que a exposição se dê a diversas substâncias químicas, em período de tempo e quantidades variáveis. Em exposições passadas, dependendo do intervalo de tempo decorrido entre a dosagem dos contaminantes e a interrupção da exposição, e das características do processo metabólico das substâncias e do organismo dos indivíduos, estes podem não ser mais “dosáveis” nos indivíduos, ou podem, inclusive, estar dentro dos valores de referência aceitáveis.

O processo de adoecimento é pessoal, sendo a consequência de fatores de caráter coletivo, como o meio ambiente, e o contexto social, econômico, histórico e cultural de determinado grupo social. É também determinado por fatores de caráter individual, como o mapa genético que é herdado dos antepassados, o estado nutricional, a fase de estágio de desenvolvimento e o grau de maturidade do organismo e ainda fatores psicológicos e emocionais. Porém, frequentemente, as características da exposição a contaminantes ambientais determinam que as manifestações clínico-patológicas ocorram tardiamente ou apenas na prole das pessoas expostas. Sob estas condições, a confirmação do nexo causal isto é, a relação inequívoca entre causa e efeito, pode não ser possível.

É comum evidenciarmo, nexos epidemiológicos, entre o adoecimento e as causas ambientais, cujos dados apresentam sinergia e relação de proporcionalidade, ainda de estudos direcionados que comprovem tais associações. 

Centro Estadual de Vigilância em Saúde