Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Vigilância Epidemiológica

O principal objetivo da Vigilância Epidemiológica (VE) das Paralisias Flácidas Agudas (PFA) é manter o Brasil livre da circulação do poliovírus selvagem (PVS), através do monitoramento da ocorrência de casos de PFA em menores de 15 anos e a manutenção de altas e homogêneas coberturas vacinais, cuja meta é 95%. No Rio Grande do Sul o último caso de poliomielite com identificação do PVS foi em 1983, no município de Santa Maria.

Caso Suspeito de PFA

Todo caso de deficiência motora flácida, de início súbito, em indivíduos com menos de 15 anos de idade, independentemente da hipótese diagnóstica de poliomielite

ou;

Caso de deficiência motora flácida, de início súbito, em indivíduo de qualquer idade,com história de viagem a países com circulação de poliovírus nos últimos 30 dias que antecedem o início do deficit motor, ou contato no mesmo período com pessoas que viajaram para países com circulação de poliovírus selvagem e apresentaram suspeita diagnóstica de poliomielite.

Todo caso suspeito deve ser obrigatoriamente notificado, investigado, ter coleta de amostra de fezes até o 14º dias do início do déficit motor para o isolamento viral e esclarecimento do diagnóstico.

Arquivos anexos

Centro Estadual de Vigilância em Saúde