Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Situação Epidemiológica/Dados

A coqueluche apresenta, caracteristicamente, um perfil epidemiológico sazonal (predomina na primavera e verão) e cíclico, podendo-se observar aumento de casos, em média, de 4 em 4 anos.

No início da década de 80, o coeficiente de incidência da doença era superior a 30 casos para 100.000 habitantes, com registro de 1000 a 4000 casos por ano. A partir da introdução da vacina DPT, no ano 1973, observa-se um declínio importante na incidência da doença (Figura 1) a partir do aumento das coberturas vacinais (3ª dose) em crianças menores de 1 ano.

Figura 1 Coeficiente de incidência da coqueluche e cobertura vacinal da DPT em crianças de 1 ano, RS, 1973 a 2016*

Coeficiente de incidência da coqueluche e cobertura vacinal da DPT em crianças de 1 ano, RS, 1973 a 2016*
Coeficiente de incidência da coqueluche e cobertura vacinal da DPT em crianças de 1 ano, RS, 1973 a 2016* - Foto: CEVS/SES-RS *dados preliminares

Contudo, tem-se observado um recrudescimento da coqueluche no Brasil na última década, embora as incidências observadas sejam muito inferiores às descritas na era pré-vacinal. O possível recrudescimento da doença tem sido atribuído a várias hipóteses, entre elas, a baixa cobertura vacinal em relação aos reforços vacinais preconizados, a queda da imunidade vacinal ao longo dos anos, e a introdução de novas técnicas de diagnóstico laboratorial (PCR).

A letalidade da doença continua muito baixa, todos os óbitos que ocorreram a partir de 2009, foram em crianças menores de três meses de idade e nos últimos 10 anos os maiores coeficientes de incidência ocorreram em 2012-2013 (Tabela 1). Este pico não é explicável exceto pelo aumento de notificação de casos associado ao critério de confirmação predominantemente clínico, mesmo com melhora da coleta para cultura - padrão ouro de diagnóstico. O estado não tem disponível PCR para diagnóstico da coqueluche no Laboratório Central do Estado (Lacen) e a confirmação apenas clínica diminui a robustez do dado epidemiológico.

Tabela 1 Série Histórica de dados de Coqueluche no RS, Casos Notificados, Confirmados, Coeficiente de Incidência (CI), Coeficiente de Letalidade (CL), 1999 a 2016*

Série Histórica de dados de Coqueluche no RS, Casos Notificados, Confirmados, Coeficiente de Incidência (CI), Coeficiente de Letalidade (CL), 1999 a 2016*
Série Histórica de dados de Coqueluche no RS, Casos Notificados, Confirmados, CI, CL, 1999 a 2016* - Foto: CEVS/SES-RS *dados preliminares

Arquivos anexos

Centro Estadual de Vigilância em Saúde